Tuesday, April 04, 2006

a mãos de Sophia

'Apesar das ruínas e da morte,
Onde sempre acabou cada ilusão,
A força dos meus sonhos é tão forte,
Que de tudo renasce a exaltação
E nunca as minhas mãos ficam vazias'

(talvez os poetas venham ao mundo para os ateus terem como rezar)

2 comments:

cocodril said...

hoy pareces un poquito triste y profética
quizas sea por las nuves altas que planean como pàjaro negro robre las cabezas de primavera ensoñecidas
siempre llegan dias mejores

es bonito sonreir imaginandolos

un abrazo e saudades

anemona said...

ola cocodril!!! que va, no estoy triste. solo la melancolia de primavera. y vosotros, al final, cuando venis a lisboa? un abrazo gordo pa ti